Educação inclusiva: quais os pilares e o que a escola precisa fazer?

Antes, nós tínhamos a escola regular e a escola especial, separadamente. A educação inclusiva aparece visando acabar com essa separação. Ela é a educação especial na escola regular para permitir a convivência e a integração social dos alunos com deficiência, favorecendo a diversidade.

Neste post, você conhecerá mais sobre a educação inclusiva na escola e o apoio necessário para que ela aconteça. Descobrirá qual é o papel da escola, além de entender quais são os pilares da educação e compreenderá o que se espera de uma escola inclusiva. Boa leitura!

O que é educação inclusiva?

Antes de falarmos sobre o que é a educação inclusiva, é necessário compreendermos a diferença entre ela e a educação especial.

A educação especial é uma modalidade de ensino com a função de promover o desenvolvimento das habilidades das pessoas com deficiência, que abrange todos os níveis do sistema de ensino, desde a educação infantil até a formação superior.

Ela é responsável pelo atendimento especializado ao aluno, assim, seu público-alvo são estudantes com algum tipo de deficiência (auditiva, visual, intelectual, física ou múltipla), com distúrbios de aprendizagem ou com altas habilidades (superdotados).

Já a educação inclusiva é uma modalidade de ensino na qual o processo educativo deve ser considerado um processo social em que todas as pessoas, com deficiência ou não, têm o direito à escolarização.

De acordo com dados do Censo Escolar, o aumento de matrículas de estudantes com necessidades especiais cresceu mais de 30% em todo país. Isso ressalta a demanda desse público e a importância do debate e de práticas voltadas à inclusão em todas as escolas.

Conforme a lei n.º 13.005, pelo Plano Nacional de Educação (PNE), escolas brasileiras devem garantir um sistema inclusivo. Alunos entre 4 e 17 anos com necessidades especiais têm o direito de serem matriculados em classes comuns a todos.

É uma educação voltada à formação completa e livre de preconceitos, que reconhece as diferenças e dá a elas seu devido valor. Para ela acontecer, é fundamental a criação de redes de apoio aos educadores.

O que são as redes de apoio?

O aprendizado dos alunos com deficiência é de responsabilidade de todos que fazem parte do processo educacional e não apenas do professor. Nesse sentido, existem as redes de apoio compostas por pessoas que colaboram no processo de ensino e aprendizagem do aluno. A seguir, listaremos todos que fazem parte dela.

A família

Ela é a primeira e a principal responsável pela educação escolar da criança ou do jovem. Por isso, é tão importante que se crie uma relação de cooperação e confiança entre escola e família, e que exista uma ampla comunicação entre elas.

Os profissionais da área de saúde

Esses profissionais ajudarão os educadores a entenderem as necessidades do aluno e poderão dar direcionamentos sobre como atendê-las. Eles podem ser:

  • médicos;
  • fisioterapeutas;
  • fonoaudiólogos;
  • psicólogos;
  • psicopedagogos.

Qual é o papel da escola?

A escola tem o dever de aceitar os alunos com deficiência e realizar as adaptações necessárias para que eles tenham seu direito à educação garantido.

Outra preocupação que a escola deve ter é fornecer aos seus educadores capacitação e formação continuada, fundamentais para lidar com esses alunos, bem como as adaptações e os equipamentos que forem necessários ao seu aprendizado. Reuniões entre os professores e os coordenadores pedagógicos favorecem a troca de experiências e o aprendizado.

Infelizmente, os cursos de graduação não preparam os futuros professores para lidarem com as diferenças e particularidades de cada aluno.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que orienta as escolas. Ele deve ser seguido por toda a educação básica, porém não se trata de algo fixo e imutável.

Realizar uma flexibilização nesse currículo de modo a favorecer a aprendizagem do aluno com deficiência também é papel e responsabilidade da escola e de todos os seus educadores. Essa flexibilização inclui fornecer material e mobiliário essenciais e adquirir equipamentos específicos, como computadores e softwares.

A escola não está sozinha nessa tarefa. Esse deve ser um trabalho conjunto entre a escola regular, o Atendimento Educacional Especializado (AEE) e o Estado.

Quais são elementos importantes para colocar a educação inclusiva em prática?

Desde a estrutura do prédio até os métodos de ensino adotados, escolas precisam se preparar para ter salas e ambientes multifuncionais e inclusivos. Isso inclui pensar em acessibilidade e no ajuste de diversas instalações, como banheiros, que precisam ter pias e sanitários adequados para pessoas com necessidades especiais.

Em outra esfera, as abordagens de ensino também precisam ser repensadas. Um caminho é optar por metodologias ativas, que colocam o aluno no centro de seu processo de ensino e aprendizagem. Esses métodos são vantajosos, pois promovem uma educação mais empática, colaborativa e solidária, além de trabalhar a autonomia e confiança do aluno.

No mais, é importante adotar uma postura flexível em relação ao currículo e priorizar avaliações que considerem o processo, e não somente testes sumativos que analisam o quanto de conteúdo o aluno sabe.

Atualmente, muito se fala sobre um processo de avaliação por projetos, que acompanham e testam o progresso do aluno integralmente, além de focar no desenvolvimento de habilidades interpessoais.

Qual é a diferença entre inclusão e integração?

Por vezes, a educação inclusiva pode ser confundida com outros conceitos, como a integração. Por mais que estejam falando de processos semelhantes, esses termos diferem no que diz respeito às dinâmicas nas escolas e sala de aula.

A integração fala sobre um processo em que se criam condições para que pessoas com deficiência consigam participar das atividades escolares com os demais alunos. Para isso, são mobilizados recursos e apoio para que esses estudantes consigam acompanhar e se adaptar à realidade escolar.

A inclusão vai muito além. Esse conceito coloca em cheque o que a sociedade acredita ser “normal” e parte do princípio de que existe uma heterogeneidade entre as pessoas. Logo, a diferença é valorizada, respeitada, acolhida e reconhecida em todos os níveis.

Assim, a inclusão toma como base a importância de que exista uma comunidade escolar e um sistema de ensino que sejam acessíveis e únicos para todos. Dessa forma, a inclusão propõe a criação de um currículo no qual métodos e práticas permitam que cada estudante possa aprender de forma diferente.

Em suma, a inclusão trata de um movimento de mudar e melhorar a educação para acolher a todos, e não segregar pessoas por suas diferenças.

Quais são os pilares da educação?

O relatório para a Unesco feito pela Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI apresenta quatro pilares sobre os quais a educação deve se firmar:

  • aprender a conhecer;
  • aprender a fazer;
  • aprender a conviver;
  • aprender a ser.

Firmar a educação inclusiva em todos esses pilares é garantir que a aprendizagem de crianças e jovens com deficiência aconteça por meio das várias possibilidades de desenvolvimento que podemos encontrar na escola.

O que é uma escola inclusiva?

É uma escola comum — ou regular — que acolhe todos os tipos de alunos, independentemente das diferenças. Nela, são criadas situações que favoreçam e respeitem os diferentes ritmos e estilos de aprendizagem dos alunos.

São realizadas ações como a presença de um segundo professor em sala, tenha ele formação específica ou básica, ou de um estagiário, com o intuito de dar apoio à equipe pedagógica. O acompanhamento do trabalho do professor é fundamental para dar o suporte que o aluno necessita.

Na escola inclusiva, todas as propostas que orientarão as atividades escolares e as intenções dos educadores relativas à inclusão estão registradas em seu Projeto Político Pedagógico (PPP). Nele, ficam estabelecidas quais redes de apoio serão necessárias para o atendimento aos alunos com deficiência.

A escola deverá fornecer ao aluno os recursos diferenciados indispensáveis ao seu aprendizado, como:

  • adaptações físicas do ambiente escolar;
  • professores especialistas;
  • aceleração de conteúdo.

Dependendo do caso, o aluno, além de frequentar a escola regular inclusiva, também deverá frequentar no contraturno uma escola especial que funcionará como um centro de apoio e complementação de sua formação, com a presença de profissionais especializados para isso.

Quais são os benefícios de adotar políticas inclusivas?

Uma escola inclusiva é melhor para todos, tanto para a instituição quanto para a comunidade, pais e estudantes. Algumas das vantagens que podemos destacar são:

  • melhora da imagem da instituição: ao abraçar práticas inclusivas, a escola tem a chance de se tornar referência no mercado e se mostrar alinhada ao futuro e uma nova visão da educação;
  • estímulo ao respeito e às diferenças: cada vez mais, escolas contemporâneas têm se preocupado com a formação integral dos estudantes, indo além do conhecimento técnico. Ou seja, a escola tem um papel importante no ensino de conceitos como tolerância, cooperação e respeito às diferenças;
  • desenvolvimento de uma comunidade mais próxima: o grupo de educadores, pais e alunos que fazem parte da comunidade escolar tende a formar vínculos mais profundos e coesos por meio do exercício da inclusão.

Quais são os desafios a serem enfrentados?

A educação inclusiva ainda está em fase de implementação no Brasil, por isso, são muitos os desafios a serem enfrentados.

O maior deles ainda é a falta de preparo e capacitação dos professores para lidarem com os alunos com deficiência. O número de professores especialistas em Libras ou Braile, por exemplo, ainda está aquém do desejado.

Muitas escolas públicas também não têm os recursos financeiros necessários para fazer as adaptações ou comprar os equipamentos fundamentais às necessidades de seus alunos com deficiência.

Como você viu, a educação inclusiva é mais que necessária para permitir que absolutamente todos tenham pleno acesso a uma formação escolar de qualidade. Os desafios são grandes, mas as iniciativas e a dedicação dos professores fazem com que ela aconteça.

Gostou do conteúdo e se sente motivado a revolucionar sua escola? Então, saiba como podemos ajudar você a otimizar a gestão escolar com as soluções inovadoras da Proesc!

ar e a escola especial, separadamente. A educação inclusiva aparece para acabar com essa separação. Ela é a educação especial dentro da escola regular com o objetivo de permitir a convivência e a integração social dos alunos com deficiência, favorecendo a diversidade.

Neste post, você conhecerá um pouco mais sobre a educação inclusiva na escola e o apoio necessário para que ela aconteça. Descobrirá qual é o papel da escola, além de entender quais são os pilares da educação e compreenderá o que se espera de uma escola inclusiva. Boa leitura!

O que é educação inclusiva?

Antes de falarmos sobre o que é a educação inclusiva, é necessário compreendermos a diferença entre ela e a educação especial.

A educação especial é uma modalidade de ensino que tem a função de promover o desenvolvimento das habilidades das pessoas com deficiência, e que abrange todos os níveis do sistema de ensino, desde a educação infantil até a formação superior.

Ela é responsável pelo atendimento especializado ao aluno e seu público-alvo são os alunos com algum tipo de deficiência (auditiva, visual, intelectual, física ou múltipla), com distúrbios de aprendizagem ou com altas habilidades (superdotados).

Já a educação inclusiva é uma modalidade de ensino na qual o processo educativo deve ser considerado como um processo social em que todas as pessoas, com deficiência ou não, têm o direito à escolarização.

É uma educação voltada para a formação completa e livre de preconceitos que reconhece as diferenças e dá a elas seu devido valor. Para que ela aconteça, é fundamental a criação de redes de apoio aos educadores.

O que são as redes de apoio?

O aprendizado dos alunos com deficiência é de responsabilidade de todos que fazem parte do processo educacional e não apenas do professor. Nesse sentido, existem as redes de apoio compostas por pessoas que colaborarão no processo de ensino e aprendizagem do aluno. A seguir, listaremos todos que fazem parte dela.

A família

Ela é a primeira e a principal responsável pela educação escolar da criança ou do jovem. Por isso é tão importante que se crie uma relação de cooperação e confiança entre escola e família, e que exista uma ampla comunicação entre elas.

Os profissionais da área de saúde

Eles podem ser médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos ou psicopedagogos. Esses profissionais ajudarão os educadores a entenderem as necessidades do aluno e poderão dar direcionamentos sobre como atendê-las.

Qual é o papel da escola?

A escola tem o dever de aceitar os alunos com deficiência e realizar as adaptações necessárias para que eles tenham seu direito à educação garantido.

Outra preocupação que a escola deve ter é fornecer aos seus educadores capacitação e formação continuada fundamentais para lidar com esses alunos, bem como as adaptações e os equipamentos que forem necessários para seu aprendizado. Reuniões entre os professores e os coordenadores pedagógicos favorecem a troca de experiências e o aprendizado.

Infelizmente, os cursos de graduação não preparam os futuros professores para lidarem com as diferenças e particularidades de cada aluno.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que orienta as escolas. Ele deve ser seguido por toda a educação básica, porém não se trata de algo fixo e imutável.

Realizar uma flexibilização nesse currículo de modo a favorecer a aprendizagem do aluno com deficiência também é papel e responsabilidade da escola e de todos os seus educadores. Essa flexibilização inclui fornecer material e mobiliário essenciais e adquirir equipamentos específicos, como computadores e softwares, por exemplo.

A escola não está sozinha nessa tarefa. Esse deve ser um trabalho conjunto entre a escola regular, o Atendimento Educacional Especializado (AEE) e o Estado.

Quais são os pilares da educação?

O relatório para a Unesco feito pela Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI apresenta quatro pilares sobre os quais a educação deve se firmar:

  • aprender a conhecer;
  • aprender a fazer;
  • aprender a conviver;
  • e aprender a ser.

Firmar a educação inclusiva em todos esses pilares é garantir que a aprendizagem de crianças e jovens com deficiência aconteça por meio das várias possibilidades de desenvolvimento que podemos encontrar na escola.

O que é uma escola inclusiva?

É uma escola comum — ou regular — que acolhe todos os tipos de alunos, independente das diferenças. Nela, são criadas situações que favoreçam e respeitem os diferentes ritmos e estilos de aprendizagem dos alunos.

São realizadas ações como a presença de um segundo professor em sala, tenha ele formação específica ou básica, ou de um estagiário, com o intuito de dar apoio à equipe pedagógica. O acompanhamento do trabalho do professor é fundamental para dar a ele o suporte que ele necessita.

Na escola inclusiva, todas as propostas que orientarão as atividades escolares e as intenções dos educadores relativas à inclusão estão registradas em seu Projeto Político Pedagógico (PPP). Nele, ficam estabelecidas quais redes de apoio serão necessárias para o atendimento aos alunos com deficiência.

A escola deverá fornecer ao aluno os recursos diferenciados indispensáveis ao seu aprendizado, como adaptações físicas do ambiente escolar, professores especialistas ou aceleração de conteúdo.

Dependendo do caso, o aluno, além de frequentar a escola regular inclusiva. Também deverá frequentar no contraturno uma escola especial que funcionará como um centro de apoio e complementação de sua formação, com a presença de profissionais especializados para isso.

Quais são os desafios a serem enfrentados?

A educação inclusiva ainda está em fase de implementação no Brasil, por isso são muitos os desafios a serem enfrentados.

O maior deles ainda é a falta de preparo e capacitação dos professores para lidarem com os alunos com deficiência. O número de professores especialistas em Libras ou Braille, por exemplo, ainda está muito aquém do desejado.

Muitas escolas públicas também não têm os recursos financeiros necessários para fazer as adaptações ou comprar os equipamentos necessários às necessidades de seus alunos com deficiência.

Como você viu, a educação inclusiva é mais do que necessária para permitir que absolutamente todos tenham pleno acesso a uma formação escolar de qualidade. Os desafios são grandes, mas as iniciativas e a dedicação dos professores têm feito com que ela aconteça.

Ebook: Guia definitivo para a retenção de alunos em escolas particulares

Assine a newsletter do Proesc

Gostou deste artigo? Então não deixe de assinar nossa newsletter do Proesc.com para receber outros artigos com conteúdos relevantes diretamente em seu e-mail!

LEITURAS RECOMENDADAS:

7 estratégias práticas para melhorar o desempenho dos alunos

Como motivar professores desmotivados?

Entenda as características de uma gestão escolar de qualidade

Aproveite e curta também o nosso Facebook, siga-nos no Twitter e no Instagram e acompanhe nosso canal no Youtube!

Para curtir o Proesc no Facebook, é só clicar no botão Like Page a seguir.

Deixe seu comentário aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 17 =

Gestão Escolar

  • Fazer a gestão escolar online vale a pena?

    Um dos maiores privilégios que a tecnologia trouxe para a atualidade é a possibilidade de moldarmos nossas atividades do dia a dia como quisermos. Isso se estende à gestão escolar, visto que uma instituição de ensino é composta por áreas diversas, e administrá-las é um grande desafio. São inúmeras tarefas executadas e controladas diariamente, que...

    Transformação digital nas Escolas: o que você precisa saber

    Tecnologia e educação estão cada vez mais próximas. Seja para melhorar a experiência do aluno no ensino-aprendizagem ou melhorar a gestão escolar, a transformação digital nas escolas agora é uma realidade. Entenda neste artigo o que é esta transformação e como implementá-la na sua instituição. O que é transformação digital? Transformação digital é o processo...

  • Gestão de Dados Escolares: tudo o que você precisa saber

    Fazer uma boa gestão dos dados escolares é fundamental para o sucesso de uma instituição de ensino. No entanto, poucos gestores escolares conhecem sobre o assunto. Então preparamos um artigo completo para ajudar você na gestão dos dados da sua escola ou curso. O que são dados escolares? Dado é um valor atribuído a alguma...

    3 Lições da Pandemia para Gestores Escolares

    Certamente a educação foi um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. As escolas fecharam, as aulas passaram a ser online e a relação professor – aluno mudou. Mas o que aprendemos com tudo isso? Neste artigo selecionamos 3 lições da pandemia para gestores escolares. Lição 1: O futuro estava mais próximo do...

  • Escola Remota: passo a passo para adaptar

    Apenas aulas remotas não são suficientes para fazer sua escola funcionar de forma remota. Descubra neste artigo o passo a passo para adaptar sua instituição de ensino para uma escola remota. O que é uma escola remota? Com o impedimento das atividades presenciais nas escolas devido a pandemia do novo coronavírus, as instituições de ensino...

    3 Dicas de Biossegurança para Escolas

    A pandemia do Covid-19 afetou profundamente a educação no Brasil e no mundo. Protocolos e medidas de biossegurança foram criados para conter o avanço do novo coronavírus. Com as escolas não foi diferente! Entenda neste artigo a importância da Biossegurança para Escolas e 3 dicas de como aplicar. O que é Biossegurança? De acordo com...

  • 5 dicas para o retorno das aulas presenciais

    Com a diminuição de casos do novo coronavírus, alguns estados brasileiros já estão executando os planos de retomada das atividades econômicas. E com as instituições de ensino não é diferente. Neste artigo, selecionamos dicas práticas que vão auxiliar no retorno das aulas presenciais da sua escola ou curso. Confira: Dica 1: atente-se para as decisões...

    Como adaptar a rotina escolar durante a Pandemia

    Com a paralisação das atividades presenciais das instituições de ensino, a rotina escolar sofreu diversas mudanças. Com o aumento das atividades à distância, os alunos, responsáveis, professores e gestores escolares precisam se adaptar à nova realidade. Por quê adaptar a rotina escolar? As paralisações pegaram todas as instituições de ensino de surpresa, e por isso,...

  • 5 funcionalidades do Proesc que ajudam sua escola na quarentena

    A pandemia do novo coronavírus (COVID-19) tem afetado bastante nossas rotinas, e com as escolas e cursos não está sendo diferente. Sabemos que nesse momento cada um precisa fazer sua parte para evitar ao máximo a propagação do vírus. Para que sua instituição de ensino não sofra tantos impactos com as paralisações devido ao COVID-19,...

Scroll to top