O que é ensino colaborativo e como aplicá-lo nas escolas?

Tempo de leitura: 18 minutos

O que você espera da escola do século XXI? Quais são as novas demandas dos alunos das próximas gerações? Como utilizar a tecnologia e novas metodologias a favor da educação na sua instituição de ensino? O que é ensino colaborativo e como ele pode revolucionar a aprendizagem dos estudantes?

E-book gestao escolar

Tendo esses questionamentos em vista, a escola tem uma função que vai além de apenas transmitir conhecimento teórico, atuando na formação pessoal e profissional dos seus alunos — mas isso você provavelmente já sabe. O que você ainda não sabe é como preparar os seus estudantes para o novo mundo que está surgindo com a Quarta Revolução Industrial.

Neste artigo, você vai entender tudo sobre essas novas demandas da atualidade, assim como uma nova forma de educação que surge no mundo contemporâneo: a educação 4.0. Também vai descobrir o que é ensino colaborativo e como aplicar essa nova metodologia na sua escola e, com isso, criar um diferencial para a instituição, alunos, professores e pais.

Ficou curioso? Leia agora o nosso artigo e descubra como potencializar os resultados dos estudantes da sua escola!

A sociedade da Quarta Revolução Industrial

A tecnologia avança em uma velocidade nunca antes vista, o que gera uma quebra de paradigma, uma nova forma de ver e se relacionar com o mundo ao seu redor. Isso faz com que a sociedade mude, atingindo a chamada Quarta Revolução Industrial.

Surgem conceitos como Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial, aprendizagem de máquinas (machine learning), robôs, e outras inovações tecnológicas. Aos poucos, todas elas estão se tornando parte da rotina diária das pessoas, tendo impacto nas relações sociais, economia e política dos países.

O mercado de trabalho também mudou drasticamente. De uma indústria manufatureira e artesanal, antes da Primeira Revolução Industrial do século XVII, o mundo de hoje conta com uma “Fábrica Inteligente”, com máquinas mais flexíveis, ampla utilização da Tecnologia da Informação (TI) e substituição da mão de obra humana por máquinas.

Isso gera transformações culturais e uma nova demanda de indivíduos para as próximas gerações. Crianças já nascem conectadas, aprendendo a utilizar internet, celulares e tablets muito novas. Começa a se expandir uma Cultura Maker, na qual as pessoas têm uma maior necessidade de colocar a “mão na massa”, tirar os planos do papel e correr atrás dos seus objetivos.

Essas transformações estão afetando a forma de ser e pensar de todas as pessoas ao redor do mundo, assim como o mercado de trabalho e a maneira de se comunicar das populações. E a educação não fica de fora dessa transformação, fazendo o surgir a chamada Educação 4.0. Entenda agora o que é esse fenômeno e como ele pode afetar a rotina diária da sua escola!

A Educação 4.0

Alunos sentados um atrás do outro, quadro de giz, professores como protagonistas na educação e estudantes que pouco se comunicam durante o momento da aprendizagem. Muitas das escolas da atualidade parecem ser as instituições que passaram por menos transformações desde o seu surgimento.

A partir do início do século XIX, você já consegue observar uma estrutura física e metodológica semelhantes às utilizadas hoje em dia nesses estabelecimentos. Porém, basta uma análise superficial dessa estrutura para perceber que ela está totalmente desconectada da realidade social na qual você — e os seus alunos — vive.

A escola precisa ser atualizada para acompanhar as mudanças que a nova sociedade demanda dos indivíduos. A Educação 4.0 chega exatamente com essa finalidade!

O que é a Educação 4.0

Surge, portanto, uma proposta de educação diferenciada, que preza por colocar os estudantes no centro do processo de aprendizagem. Essa é a chamada Educação 4.0!

Ela prioriza a experiência prática e experimentação dos alunos, assim como a realização de projetos que permitam que eles coloquem a mão na massa — muito coerente com a Cultura Maker que surge na contemporaneidade. Além disso, há uma valorização da criatividade, interdisciplinaridade, utilização de ferramentas tecnológicas na sala de aula e criação de ambientes inovadores.

A colaboração também entra em foco. Em vez de um estudante atrás do outro, há uma proposta de maior interação construtiva entre as crianças e adolescentes, evidenciando uma construção conjunta do conhecimento. O professor atua como mediador, e é quem direciona e orienta os alunos para uma aprendizagem mais conectada com a realidade do mundo que eles vão encontrar fora da instituição de ensino.

Benefícios da Educação 4.0

Com essas transformações, a escola consegue fornecer conhecimento mais contextualizado, formando pessoas que atendem às demandas da sociedade atual. É possível manter o interesse dos estudantes na aprendizagem, pois ela é coerente com a sua realidade e a forma como essas crianças e adolescentes funcionam, se comunicam e interagem com o mundo ao seu redor.

A transmissão de conhecimento se torna mais efetiva, e é criado um diferencial para as escolas que adotam esse método, uma vez que os resultados positivos são nítidos. Assim, o aluno ganha liberdade para produzir conhecimento de acordo com os seus interesses reais, utilizando metodologias ativas de aprendizagem.

Porém, qualquer transformação é desafiadora e exige mudanças estruturais e metodológicas da sua instituição. O primeiro passo para atualizar a sua escola e torná-la mais conectada com a Quarta Revolução Industrial é o investimento no ensino colaborativo.

Entenda agora o que é essa nova forma de ensinar e descubra quais os benefícios que ela pode gerar para você e seus alunos!

O ensino colaborativo

Existem diversas teorias da pedagogia que demonstram que as crianças e adolescentes são capazes de construir o conhecimento de forma conjunta, em interação com os seus colegas e professores. Todas as pessoas têm uma carga de experiência e aprendizado prático, vivido no mundo, que vêm das suas vivências dentro da sociedade.

É assim que as crianças e adolescentes chegam às escolas, com conhecimentos e teorias formulados por eles mesmos, de acordo com o que experimentaram nas suas relações sociais. A escola tradicional oferece teorias e conhecimentos de outra natureza, vinda do que a humanidade conseguiu construir ao longo da sua história científica. A união entre a forma de aprender de cada indivíduo e a estrutura de conhecimento fornecida pela escola dá origem à educação colaborativa.

O ensino colaborativo é uma metodologia de aprendizagem que ganha cada vez mais evidência na sociedade atual. O seu principal foco é a substituição de uma postura passiva dos alunos — que apenas recebem o conhecimento emitido pelos professores — por uma atitude mais ativa e integrada, de forma de eles passam a atuar como protagonistas do processo de aprendizagem.

Ele propõe que os alunos, professores, pais e a escola como um todo atuem como parceiros na formação dos estudantes. O aprendizado vem de discussões e ajuda entre eles, que conseguem chegar a conclusões sozinhos, de acordo com a orientação dos professores e apoio dos colegas.

Os professores também colaboram entre si, na criação de um ambiente propício para a aprendizagem de maneira interdisciplinar. Com isso, o conhecimento adquirido acaba sendo mais contextualizado com a vivência prática dos estudantes, o que favorece o aprendizado e permite o desenvolvimento de competências que vão além da sala de aula.

Os 5 princípios da aprendizagem colaborativa

Existem alguns princípios que norteiam o ensino colaborativo nas escolas. Entenda agora quais são eles!

1. Personalização do ensino

Na aprendizagem colaborativa, há o entendimento de que cada pessoa tem uma determinada forma de aprender, que é individual. Além disso, cada estudante tem vivências e experiências distintas, que fazem com que interajam com o ambiente escolar de maneiras distintas.

Dessa forma, você desmistifica a ideia de que todos os alunos devem se sentar da mesma forma, assistir à mesma aula expositiva e, com isso, obter os mesmos resultados — o que, nitidamente, não acontece. O ensino passa a ser personalizado, de acordo com as necessidades de cada um dos estudantes da sua escola.

Isso só é possível porque, nessa metodologia de ensino, um aluno ajuda o outro na construção do conhecimento. Com isso, um consegue suprir as necessidades e demandas específicas do colega. Juntos, eles são capazes de formar uma compreensão mais completa das teorias e ensinamentos.

2. Contextualização do conhecimento ensinado

Quando você vai explicar um novo conceito para alguém, provavelmente, faz uso de exemplos do dia a dia para deixá-lo mais claro e facilitar a compreensão. É isso que deve acontecer no ensino colaborativo.

Devem ser propostas atividades e discussões em grupo que integrem o conhecimento da sala de aula com as atividades e vivências cotidianas dos alunos. Como resultado, o conteúdo ganha aplicabilidade prática, se tornando mais contextualizado com a realidade do mundo fora da instituição de ensino.

3. Criação de um ambiente propício

Um dos princípios do ensino colaborativo é a criação de um ambiente propício para esse tipo de atividade. Isso porque cadeiras enfileiradas e quadros de giz não fomentam a colaboração e interação entre os estudantes, essenciais para essa nova situação de ensino. Portanto o espaço físico ganha uma nova visibilidade para a aprendizagem colaborativa, atuando como um facilitador e catalisador do processo.

4. Atuação do professor como mediador

Outro princípio essencial do ensino colaborativo está relacionado à mudança do papel do professor na aprendizagem dos alunos. Em vez de atuar como transmissor do conhecimento, detentor da sabedoria, o professor para a ser considerado como mediador do processo de aprendizagem.

Para isso, ele deve atuar de maneira a direcionar e fomentar o conhecimento dos alunos, dando apoio e tirando dúvidas. Porém, a aprendizagem em si é feita em conjunto, entre os estudantes. São eles que vão construir o conhecimento exigido para uma atuação na nova realidade de mercado e sociedade.

5. Utilização da tecnologia

Na Quarta Revolução Industrial, é impossível não falar em relações facilitadas por ferramentas tecnológicas. A forma como as pessoas se comunicam e se ajudam na atualidade mudou, sendo mediada por instrumentos e equipamentos inovadores.

Dessa forma, a aprendizagem colaborativa tem como um dos seus princípios a utilização da tecnologia como facilitadora do processo de educação. Afinal, se você utiliza esses instrumentos para se comunicar diariamente, por que a educação deveria ficar fora disso?

Portanto, o acesso à internet, utilização de ferramentas digitais para adquirir conhecimentos e tirar dúvidas, assim como comunicação fora da sala de aula por meio de aplicativos de comunicação instantânea e plataformas virtuais são elementos essenciais para uma educação colaborativa efetiva na sua escola.

Benefícios do ensino colaborativo

Maior motivação e engajamento dos alunos

Com a aprendizagem colaborativa, os alunos passam a ser protagonistas do processo de educação. Eles se tornam mais ativos e passam a ver mais utilidade prática no conhecimento adquirido na sala de aula.

Isso aumenta a motivação e o engajamento dos estudantes com a escola e a sua própria instrução. Também há um aumento da sensação de realização e satisfação com os resultados do processo de aprendizagem, uma vez que eles sentem que, efetivamente, construíram aquele conhecimento, em vez de apenas repetir o que foi dito por outra pessoa.

Melhora dos resultados de aprendizagem

O maior engajamento dos alunos devido à aprendizagem colaborativa melhora os resultados em longo prazo e permite uma aprendizagem mais efetiva. Os conhecimentos são contextualizados e, com isso, apreendidos de maneira mais eficaz.

Dessa forma, tanto a satisfação dos pais e alunos quanto a dos professores aumenta com o processo, o que melhora os resultados da sua instituição como um todo.

Desenvolvimento de pensamento crítico

Quando você coloca os seus alunos como protagonistas do processo de aprendizagem, consegue desenvolver novas formas de pensamento e questionamento dos estudantes. Eles participam de mais discussões, aprendem a argumentar e, com isso, desenvolvem um pensamento crítico mais elaborado.

Inclusive, há uma melhora no processo de tomada de decisão dos alunos, tanto dentro quanto fora da sala de aula. Nesse sentido, eles não recebem mais conhecimento de uma autoridade, e sem a possibilidade de questionar e contestar.

Nesse novo modelo, eles mesmos constroem o conhecimento a partir de informações recebidas de diversas fontes. Com isso, aprendem a pensar criticamente sobre os conteúdos que estão recebendo do mundo ao seu redor.

Formação de profissionais e cidadãos preparados para a sociedade

A nova sociedade exige profissionais e indivíduos com características distintas das de 10 ou 20 anos atrás. A mudança na forma de transmitir conhecimento proposta pela educação colaborativa ajuda na formação desse tipo de cidadão, mais adequado ao contexto da contemporaneidade.

O espírito colaborativo é aflorado e relações mais construtivas são criadas dentro e fora da sala de aula. São formados profissionais prontos para criar soluções novas e inovadoras, utilizar a sua criatividade a favor do mercado e se posicionar de maneira mais positiva nas instituições. Também é desenvolvido o espírito empreendedor, tão valorizado pelo mercado de trabalho da atualidade.

Além disso, por serem ativos no processo de aprendizagem, o ensino colaborativo forma cidadãos com maior autonomia. Em vez de apenas repetir o que é aprendido, os seus alunos entendem como buscar e criar conhecimento.

Aplicando o ensino colaborativo na sua escola de maneira eficaz

Existem muitas vantagens na criação de um ambiente que fomente a aprendizagem colaborativa, conectada com a Educação 4.0 que surge na atualidade. Porém, também existem diversos desafios nesse processo.

A maioria dos seus professores passou por uma formação tradicional de ensino e, por isso, tende a reproduzir métodos aprendidos na sala de aula. Dessa forma, cria-se uma resistência para a implementação do novo e para as transformações que isso implica.

Pensando nisso, separamos algumas dicas que permitem um processo de transição mais harmônico e que promova o bem-estar de todos os envolvidos no processo de aprendizagem na sua instituição. Confira quais são elas:

Explique o porquê das mudanças

O primeiro passo para a implementação da educação colaborativa na sua escola é deixar muito claro para todos os envolvidos no processo de transição o porquê da mudança. Isso inclui pais, alunos, professores e toda a rede de colaboradores da sua escola.

Para isso, esclareça quais são os novos métodos que serão implementados, os benefícios que o processo pode trazer e o embasamento teórico da mudança. Mostre como a aprendizagem colaborativa pode contribuir para o bem-estar de toda a equipe, assim como para otimizar processos pedagógicos na sua escola.

Crie uma cultura de colaboração

A colaboração não pode ficar restrita apenas aos alunos dentro da sala de aula. Para que o processo seja efetivo, é importante que você crie toda uma cultura de colaboração no ambiente da sua instituição.

Os canais de comunicação devem ser abertos, tanto para professores quanto para pais, alunos e outros funcionários da sua escola. Todos devem ter a liberdade de tirar dúvidas, compartilhar dificuldades e pedir ajuda aos colegas. Dessa forma, a educação colaborativa será completa e eficaz na sua escola.

Inclua pais e alunos no processo

Os pais e alunos devem ser ativos no processo de implementação da educação colaborativa na sua escola. Nesse sentido, os pais devem ter clareza do porquê das mudanças e os benefícios associados a elas, acompanhando os seus filhos no processo.

Além disso, é importante que atuem como parceiros da transformação. Os alunos devem entender qual é o seu novo papel na própria formação, assim como quais são seus deveres e responsabilidades. A participação dos pais e responsáveis no processo também é muito importante, sendo o diferencial do sucesso da instituição.

Capacite os professores para a transição

É essencial que os seus professores estejam capacitados para atuar como mediadores da educação, e não apenas como transmissores de conhecimento. Isso exige competências e habilidades distintas, com as quais eles ainda não estão totalmente acostumados.

Portanto, invista na capacitação da sua equipe docente. Oferecer formação contínua para professores é uma ótima estratégia nesse aspecto. Eles devem entender como funciona a Educação 4.0, quais são as novas demandas desse tipo de aprendizagem, como fomentar a colaboração na sala de aula, e como planejar aulas e atuar nesse novo contexto proposto pelo ensino colaborativo.

Guia definitivo para a retenção de alunos em escolas particulares

Faça reformas na estrutura física da sua escola

Um dos princípios do ensino colaborativo é a criação de um ambiente propício para a aprendizagem colaborativa dos alunos. É essencial que você revise a estrutura física da sua escola, de forma a fomentar essa nova forma de educar e formar os seus alunos.

Analise o espaço físico existente hoje em dia e planeje mudanças. Lembre-se de que o ambiente deve incentivar a criatividade e autonomia dos estudantes. Além disso, deve ser propício para que eles interajam entre si e formem o conhecimento em conjunto.

Utilize a tecnologia a seu favor

A tecnologia é uma grande aliada do processo de ensino colaborativo. Você pode utilizar ferramentas de ponta para potencializar os resultados da educação oferecida aos alunos em todos os estágios do processo.

Um portal online, por exemplo, ajuda a abrir o canal de comunicação entre pais, diretoria, professores e alunos de maneira eficiente. Dessa forma, você consegue facilitar o acompanhamento escolar de todos os envolvidos no processo.

Além disso, pense em tecnologias que podem ser utilizadas dentro da sala de aula — de acordo com os recursos que você pode investir. O acesso à internet deve ser facilitado, assim como você pode utilizar equipamentos de projeção para que os alunos consigam visualizar por meio de imagens aquilo que estão aprendendo. Você pode, inclusive, investir em ambientes de realidade aumentada para uma experiência prática mais efetiva sem precisar sair da sala de aula.

Neste artigo, você entendeu como a Quarta Revolução Industrial tem influenciado a maneira das pessoas pensarem e se relacionarem no mundo contemporâneo. Também percebeu que tudo isso está impactando diretamente a forma como as pessoas aprendem e o desenvolvimento das crianças e adolescentes da atualidade.

A Educação 4.0 surge como uma resposta a todas essas demandas da sociedade, atuando como uma forma de tornar o ensino mais coerente com o mundo fora da sala de aula. O ensino colaborativo é um grande aliado dessa nova prática e implementá-lo na sua escola cria um diferencial para sua instituição, potencializando os resultados dos seus alunos. Invista hoje mesmo nessas mudanças dentro da sua instituição e forme adultos mais integrados à realidade do mundo contemporâneo!

E, para continuar a entender como melhorar as práticas dentro da sua escola, leia agora mesmo o nosso próximo artigo! Nele, você vai entender a importância de trazer os pais para dentro da escola por meio do acompanhamento escolar!

Assine a newsletter do Proesc

Se essas informações foram úteis para você, assine a newsletter do Proesc e receba conteúdos, dicas e novidades do mundo educacional!

LEITURAS RECOMENDADAS:

Como cobrar mensalidades atrasadas em escolas particulares

Gestão da secretaria escolar: O proesc é especialista

E-BOOK: Guia completo sobre Big Data na educação

Aproveite e curta também o nosso Facebook, siga-nos no Twitter e no Instagram e acompanhe nosso canal no Youtube!

Para curtir o Proesc no Facebook, é só clicar no botão Like Page a seguir.

O que achou desse conteúdo? Deixe seu comentário